“Parece que o Final Cut Pro X foi feito para artistas, e os outros sistemas de edição para operadores.” — Rubén Centineo, gerente de projetos especiais

Azteca Paixão no horário nobre

Embora seja difícil saber o que um país está pensando a qualquer momento, é fácil saber ao que ele está assistindo. E, todos os dias, milhões de mexicanos assistem às telenovelas.

Algumas das telenovelas mais populares do México são produzidas pela Azteca, uma das principais emissoras do país e sua segunda maior empresa de comunicação. Essas telenovelas são transmitidas em quatro redes de televisão, não apenas para regiões dos EUA e das Américas do Sul e Central onde se fala espanhol, mas também em países tão distantes quanto a Rússia e a China. Uma das redes da emissora, a Azteca America, alcança 89% dos domicílios onde se fala espanhol nos EUA.

Para Miguel Angel Cristante, diretor técnico de telenovelas da Azteca, “Nossa missão é ser a melhor emissora do mundo. A visão é não apenas entreter e informar o público do nosso país, mas também as pessoas de outras regiões. 90% dos nossos produtos são exportados para outros países.” 

Segundo Miguel Angel Cristante, diretor técnico de telenovelas da Azteca, os capítulos devem ser finalizados em até 24 horas. Crédito da foto: Héctor Macín

Para ajudar a atender à crescente demanda mundial pelos seus programas, a Azteca implementou recentemente um fluxo de trabalho ágil e totalmente digital com base no Final Cut Pro X.

Uma voz diferente

As telenovelas começaram a ser exibidas no México na década de 50. A Azteca entrou nesse mercado em 1996 com sua primeira produção,
Nada personal (Nada pessoal). Já no ano seguinte eles lançaram o enorme sucesso Mirada de mujer (Olhar de mulher), baseado na novela colombiana Señora Isabel, de 1994. Considerada uma das melhores telenovelas na história da televisão mexicana, ela estabeleceu a Azteca como uma das principais produtoras de telenovelas do país.

A emissora ganhou espaço no mercado ao transmitir telenovelas consideradas mais ousadas e com apelo a um público mais jovem. “Com certeza o que nos distingue é o conteúdo”, afirma Cristante. “Queremos fazer produtos diferentes, que criem novas perspectivas para o país. Não queremos repetir a história clássica da menina pobre apaixonada pelo garoto rico. Não somos assim. Fazemos algo mais realista, com pessoas de verdade.”

Produção ininterrupta

Diferente das novelas americanas, que possuem histórias que se desenvolvem em várias temporadas, as telenovelas são histórias independentes que dificilmente continuam após os nove meses em que são transmitidas. A Azteca também produz unitarios, episódios separados e sem continuações. Em uma semana normal, a Azteca cria capítulos de três novas novelas e três novos unitarios. Dependendo da sua programação, isso corresponde a mais de 200 capítulos de novela e 1.000 unitarios por ano.

Cristante deixa claro que a qualidade da produção nunca é sacrificada por causa de prazos. “Ao produzir uma novela e entreter as pessoas por vários meses, é importante ter vídeo e áudio com qualidade máxima. Todas as nossas filmagens são feitas em HD. Além disso, somos o único estúdio que usa som surround 5.1 em todos os programas.”

Segundo Rubén Centineo, gerente de projetos especiais, o Final Cut Pro X ajuda sua equipe a produzir 10.000 horas de conteúdo por ano. Crédito da foto: Héctor Macín

Resultados mais rápidos

Para produzir tanto conteúdo, a emissora possui uma grande unidade interna de telenovelas, com instalações de produção e pós-produção. São produzidos vários programas ao mesmo tempo, com a realização em paralelo da produção e pós-produção de cada programa. Devido ao grande número de programas produzidos, os editores da Azteca consomem quantidades enormes de filmagem e precisam de um tempo de resposta muito rápido no processo de edição.

“Chegamos a um ponto em que todos os dias temos que fazer um programa pela manhã e transmiti-lo à noite. No máximo em um prazo de 24 horas”, afirma Cristante.

A necessidade de automatizar a produção digital é o motivo principal da introdução do Final Cut Pro X no fluxo de trabalho da Azteca. Com o apoio do integrador Simplemente, da Cidade do México, eles estão usando uma abordagem em fases, que começou com a edição dos unitarios.

Novo fluxo de trabalho

Entre os programas da Azteca que estão sendo editados no Final Cut Pro X estão Lo que callamos las mujeres, A cada quien su santo, Corazón en condominio e La vida es una canción. A produção desses programas é feita no local e nos estúdios de gravação das novelas. Seja no local ou no estúdio, os diretores alternam em tempo real entre diversas câmeras e gravam um máster com essas tomadas. 

Os editores trabalham com esse máster no processo de pós-produção. Devido à necessidade de finalização rápida, os efeitos são acrescentados durante a edição. O áudio é enviado para o Pro Tools para obter uma mixagem final e devolvido ao editor para readequação e exportação.

Benefícios imediatos

Rubén Centineo, gerente de projetos especiais, informa que já estão sendo observadas melhorias impressionantes no fluxo de trabalho diretamente nas câmeras: “O uso das filmagens é muito mais rápido com o Final Cut Pro X porque não é um processo sequencial. Você pode usar a mesma máquina para importação e edição ao mesmo tempo. Isso é extremamente importante, porque o volume de trabalho de edição é enorme. Se tivermos que esperar, vamos nos sentir improdutivos.”

Assim que a filmagem é disponibilizada, os editores fazem alterações rápidas usando a Magnetic Timeline. “Eu aprendi a editar com um editor de mesa, em que você precisava fazer diversos cortes manuais e contar os quadros para não perder a sincronia”, afirma Centineo. “Mas a Magnetic Timeline está sempre em sincronia. Isso é um princípio poderoso.” 

Uma adequação natural

Embora Centineo tenha se surpreendido de início com as mudanças no Final Cut Pro X, ele agora compreende o novo modelo e recursos de edição. “Eu entendi que o Final Cut Pro X é feito para pessoas com uma linguagem visual”, afirma. “Outros editores não lineares têm ajustes pré-definidos demais e são mais adequados para uma edição puramente mecânica. Com o Final Cut Pro X, posso organizar minha mídia do jeito que quiser no aplicativo sem nada para atrapalhar. Parece que o Final Cut Pro X foi feito para artistas, e os outros sistemas de edição para operadores.

“Por exemplo, se for preciso, é possível acrescentar um efeito diretamente no Final Cut Pro X. E você pode fazer isso de um jeito artesanal. É possível construir os esmaecimentos do jeito que você quiser. O aplicativo não o força a fazer as coisas de um jeito específico.”

Vantagem, editores

O lançamento do Final Cut Pro X apresentou vantagens para todo o grupo de edição. “Eu adoro a interface e o jeito como tudo está ao alcance. Posso fazer qualquer coisa apenas arrastando e soltando”, afirma a editora Perla Martinez. “Quando você vê a interface pela primeira vez, você acha tudo lindo e quer usar e experimentar logo.”

Para o editor Jorge Silva, o Final Cut Pro X oferece um caminho mais direto para a realização da sua visão editorial. “Com as visualizações de efeitos em tempo real fica muito mais fácil escolher os efeitos porque é possível ver o resultado da ideia imediatamente”, afirma. “Esse é um dos recursos mais poderosos do programa.”

Denise Luna Del Rivero, uma editora experiente e especialista em suporte técnico do Final Cut Pro 7, observou um aumento significativo da eficiência no Final Cut Pro X. “Assim que comecei a editar com o Final Cut Pro X e vi como era fácil usar, eu adorei. Uma das maiores vantagens é que posso continuar trabalhando sem precisar esperar terminar a renderização.

“Com o software também ficou mais fácil para os editores incorporarem efeitos diretamente nas suas versões. Os editores experientes criam modelos de efeitos no Motion e passam para o restante do grupo, que pode colocar os títulos e filtros diretamente nos seus projetos do Final Cut Pro X.”

No campo

A Azteca testou seu novo fluxo de trabalho com o Final Cut Pro X no campo, editando o programa Lo que callamos las mujeres em um MacBook Pro com tela Retina de 15 polegadas conectado a um RAID Thunderbolt PROMISE Pegasus.

“Funcionou muito bem”, afirma Centineo. “Pegávamos diretamente das câmeras Canon XF usando o plug-in Canon XF. O Final Cut Pro X usa muito bem os recursos de hardware. É possível usá-lo mesmo em um sistema modesto. Ele altera o paradigma de um editor de campo por ser uma experiência tão fluida. Você consegue o mesmo desempenho que teria em uma estação de trabalho no estúdio.”

Próximas etapas

Incentivada pela implantação, a Azteca está analisando o Final Cut Pro X para a produção das novelas e até mesmo em outras divisões. “Somos uma empresa enorme”, afirma Centineo. “Portanto queremos estabelecer um fluxo de trabalho totalmente digital que os outros grupos também possam usar. E os produtos oferecidos pela Apple hoje são os que precisamos para fazer isso.”