E.W. Scripps Company. Agilidade e qualidade

Notícias se espalham rapidamente, mas nem sempre com a rapidez que os canais de TV desejam para conquistar uma parcela maior nesse mercado tão competitivo. Mas para a WXYZ TV, a maior rede de Detroit, Michigan, que acaba de ganhar o prestigiado prêmio Edward R. Murrow de jornalismo regional, o tempo que demora para colocar uma notícia no ar nunca foi mais curto. Isso porque o canal, um dos 14 da rede E. W. Scripps nos Estados Unidos, conseguiu acelerar seu processo de edição e produção das matérias com o Final Cut Pro X, Motion 5 e o Mac Pro.

A Scripps já vem usando o Final Cut Pro para editar seus noticiários e programas de esportes. Depois de fazer um teste em campo com o Final Cut Pro X e o Adobe Premiere Pro, a companhia decidiu mudar para o Final Cut Pro X depois do retorno que teve dos editores sobre velocidade, praticidade e  alta qualidade do material final. Os resultados em Detroit foram tão bons que a Scripps está adotando agora o mesmo fluxo de trabalho para todos os seus canais de TV do país.

Ray Thurber, vice-presidente de engenharia da Scripps, explica por que decidiu mudar. “A E. W. Scripps tem cem anos. Consideramos nossos telejornais locais um serviço para a comunidade, e levamos isso muito a sério. Estamos sempre buscando maneiras de combinar tecnologia com jornalismo para criar matérias e vídeos mais interessantes para os telespectadores. Com o Final Cut Pro X e o Motion 5 podemos criar as matérias mais depressa com uma qualidade de produção sem igual com relação aos nossos concorrentes.”

Em campo

Em todos os canais Scripps, os fotojornalistas gravam, editam e produzem notícias e esportes em campo. Com a ajuda do Final Cut Pro X e de computadores MacBook Pro nas vans para edição, eles finalizam as matérias no local e na hora que elas acontecem. A Scripps criou um fluxo de trabalho bem eficiente, importando arquivos MPEG-2 QuickTime direto das câmeras de vídeo JVC e usando renderização em segundo plano para criar arquivos ProRes para edição e entrega. A combinação de Final Cut Pro X, MacBook Pro e ProRes agiliza e melhora muito a qualidade da edição em campo.

Para Jeremy Johnson, fotógrafo e editor de campo da WXYZ, esses novos recursos gráficos e de edição móveis fazem uma grande diferença quando ele tem que entregar uma matéria com um prazo apertado. Quando está com um repórter na van de transmissão ou sozinho, Johnson normalmente cobre duas matérias por dia, e muitas vezes elas não são planejadas. E como acidentes, passeatas políticas e até mesmo alguns julgamentos não têm hora certa para acontecer, Johnson normalmente tem pouco tempo para gravar, editar, preparar e transmitir o material que irá ao ar. “Tenho que editar e finalizar cada matéria no meu MacBook Pro dentro da van antes de mandar para a emissora”, ele conta. “Para isso conto com a eficiência do Final Cut Pro X. Adoro a agilidade da Magnetic Timeline e a flexibilidade da ferramenta Trim. E quando estou com o prazo muito apertado, os recursos como correção de cores, estabilização de tomadas e aprimoramentos de áudio me ajudam muito.”

O fotojornalista Jeremy Johnson edita em campo, na van.
Foto: Micheal McLaughlin

Costurando a matéria

Como Johnson vive correndo para entregar as matérias, ele sempre conta com a ajuda desses recursos em cada tomada e edição. “Há pouco tempo nos mandaram cobrir uns incêndios suspeitos em casas", ele conta. “Já tínhamos gravado o material com a vizinhança, e percebi uma mulher muito agitada e interessada no assunto. Já estava em cima da hora para entrar no jornal do meio-dia, mas fiquei curioso com aquilo."

Johnson usou o iPhone para capturar a sequência em uma tomada longa e muito interessante. De volta à van, ele transferiu o arquivo para o seu MacBook Pro para fazer a edição. Com a ajuda da ferramenta Trim do Final Cut Pro X, ele recortou a tomada na Timeline para deixar a matéria ainda mais completa. “Todos esses recursos, do tratamento do formato à praticidade da Timeline, me ajudam a fazer matérias melhores e deixam minhas matérias mais atraentes.”

O toque final

Thurber constata que essas eficiências descritas por Johnson estão transformando as reportagens de campo em todos os canais da Scripps. “Com os recursos e a compatibilidade com vários formatos do Final Cut Pro X, contamos com um sistema de edição completo”, diz ele. “Hoje recebemos matérias de todos os lugares, de jornalistas com suas câmeras de vídeo a telespectadores com seus telefones. A capacidade de combinar diferentes formatos de arquivo na Timeline e editar na hora uma matéria faz toda a diferença. Agiliza muito o processo."

O Final Cut Pro X também agiliza o trabalho dos editores da Scripps que trabalham com gráficos e efeitos no toque final para transmissão. A companhia dá acesso para todos editores aos modelos em Motion criados na central de design de TV da Scripps localizada em Tampa, na Flórida. Com isso, eles conseguem agregar material gráfico em 3D a qualquer matéria em tempo real, até mesmo de dentro da van. “Com o Final Cut Pro X, todo editor de campo tem um kit de ferramentas à disposição para contar uma história melhor, com imagens de alta qualidade, listas práticas de itens e integração total do material”, explica Thurber.

Thurber salienta que colocar imagens e elementos gráficos complexos não é mais uma tortura: “O Final Cut Pro X reduziu o tempo de renderização em campo de 15 minutos para zero.”

Na emissora

Na sede da WXYZ, o editor interno Randy Lundquist usa o Final Cut Pro X para editar matérias especiais mais longas. Ele vê outras grandes vantagens no fluxo de trabalho. “A renderização em segundo plano e a reprodução em tempo real economizam muito tempo”, ele conta.“Não tenho mais que esperar 10 minutos para renderizar um vídeo de 15 segundos com cinco filtros e pouco texto. Na verdade, vejo tudo em tempo real se eu gosto do resultado. Consigo economizar uma hora por dia. Com o Final Cut Pro X eu acabo usando mais efeitos e sendo mais criativo.”

Lundquist usa muito as ferramentas de organização do aplicativo nos projetos de edição mais longos. “Um dos meus recursos preferidos é a capacidade de importar pastas como Keyword Collections e não como elementos individuais como era antes”, ele continua. “Um dos nossos fotógrafos clicou todos os dias do julgamento do ex-prefeito de Detroit, Kwame Kilpatrick, que durou sete meses. Consegui organizar todo o material por palavra-chave. Quando tenho que fazer algum projeto especial, é só abrir a biblioteca e selecionar 10 imagens dele sorrindo, triste ou bravo.”

Lundquist descreve como os recursos de edição do Final Cut Pro X influenciaram até como a emissora grava as matérias: “Captamos muito mais com duas câmeras por causa do recurso de edição com várias câmeras. Gosto muito porque nas nossas entrevistas os repórteres fazem várias perguntas. Uma câmera captava sempre o entrevistado e suas respostas e então cortávamos para a repórter concordando com a cabeça. Mas com as tomadas com duas câmeras e multicam, conseguimos mostrar a reação real, sem a preocupação de combinar os quadros. Sem contar o recurso integrado de sincronização de áudio que facilita muito o nosso trabalho."

A central gráfica

Cerca de doze designers que trabalham no centro de design de TV em Tampa criam os modelos gráficos utilizados nos canais da Scripps. Os modelos, utilizados pelos editores para colocar o conteúdo das matérias, dão uniformidade e consistência às transmissões.

O diretor gráfico Radu Somesfalean conta que os modelos permitem comunicar uma mensagem singular da marca em todos os canais, dando o mesmo tom. "Damos liberdade para os editores, sempre mantendo o estilo consistente."

Ele acrescenta: “No Mac Pro, usamos o Motion 5 para criar um visual 3D com camadas bem distintas, que fica bonito em todos os nossos canais. Tão importante quanto levar o conteúdo para o ar, é fazer com que dê gosto de assistir. É aí que os modelos do Motion no Final Cut Pro X brilham. Com eles, os editores podem personalizar o material, sem depender de nós para cada alteração.”

“No Mac Pro, usamos o Motion 5 para criar um visual 3D com camadas bem distintas, que fica bonito em todos os nossos canais.— Radu Somesfalean, diretor gráfico

A designer Michele Omran cria modelos gráficos na central em Tampa. Foto: Micheal McLaughlin

Modelo de sucesso

Michele Omran, designer gráfica na central de design de Tampa e criadora dos modelos da emissora, explica que o Motion 5 oferece ferramentas que limitam os erros editoriais. “Precisávamos encontrar uma maneira de deixar que os editores colocassem textos e imagens nos gráficos de notícia, como barras de informações, tópicos e promoções, sem afetar o design. Então nós criamos áreas flexíveis de entrada do conteúdo. É um ambiente de alta produção, mas bem fácil de usar. Eles só precisam digitar, arrastar e soltar."

Omran administra e distribui hoje 966 modelos, 69 para cada um dos 14 canais de TV. Ela começou a usar o Mac Pro com o Motion 5 para criar em Smart Motion e viu um grande aumento de desempenho. “O novo Mac Pro é muito rápido, mesmo”, diz Michele. "Ele nunca trava, mesmo com os modelos em 3D mais complexos. O que é incrível para um dispositivo tão pequeno e silencioso. Quando comecei a mexer nele às vezes perguntava se ele estava mesmo ligado.

Foco no telespectador

Hoje a Scripps está trabalhando para unificar o fluxo de trabalho de TV e digital. “Sempre que colocamos mais programas, aumentamos mais os noticiários. As notícias que fazemos agora não ficam só na TV, elas são transmitidas em outras plataformas, inclusive digitais”, conta Thurber. “Nossos departamentos de transmissão de notícias e digital precisam estar conectados com todo o material que temos dentro da emissora de televisão. Nosso objetivo com a implementação do Final Cut Pro X em cada canal é reunir tudo.”

Eles acreditam que isso vai ajudar a cobrir e apresentar as notícias no veículo que o público quiser. "Nosso plano é ir para onde as pessoas vão para buscar notícias", explica Thurber. “Com o Mac e o Final Cut Pro X, estamos equipados para isso.”