"O estúdio deveria ser um lugar criativo. Por isso gosto de um sistema bem prático, com um visual interessante e simples."

Franz Ferdinand Melhor à noite

Edição ao extremo
no Logic Pro

Depois de três meses gravando em Glasgow, a banda foi para Londres. No estúdio de Carey, os músicos gravaram as vozes e Carey editou todos os arquivos de áudio no Logic Pro.

“O Logic foi fundamental porque nós gravamos tanta coisa, que eu precisava encontrar uma forma tranquila de organizar tudo. Isso foi feito com a ajuda de um sistema com mais base musical do que técnica”, explica Carey. “Na verdade, o interessante de trabalhar com o Logic é que, mesmo quando você está finalizando uma faixa, sente que está compondo.”

Mas a grande aliada ao trabalho de edição de Carey foi a eficiência do Logic Pro. “Como algumas músicas tinham mais de uma hora na gravação original, o trabalho de corte era imenso. Também tivemos a ideia de editar em conjunto as tomadas diferentes de uma música que foi gravada em locais variados. Isso nos deu uma textura acústica distinta, foi como editar cenas diferentes de um filme. O Logic me deu a grande vantagem de poder trabalhar com rapidez.”

Várias conexões

Carey conta que os plug-ins do Logic Pro foram muito úteis para chegar ao som final das faixas do Tonight. Da mesma forma, a interface de edição foi útil no corte das faixas. “Meu plug-in favorito é o Distortion", conta Carey. "Distorço tudo só um pouquinho, mas essa distorção projeta o som para longe da caixa, na direção do ouvinte. Assim, consigo sons fechados, impactantes, que parecem mais altos do que realmente são.

“Também uso bastante o Compressor. Ele parece invisível, pois controla o nível com perfeição, sem que pareça que algo tenha sido feito." Carey afirma que praticamente todas as vozes de fundo dos dois álbuns têm um certo grau de distorção e compressão.

Ele também é fã do Ultrabeat, o sampler/máquina de ritmos do Logic. “Uso sons que eu mesmo criei, mas eu faço som de uma forma diferente”, ele explica. “Gravo alguns minutos de áudio em uma bateria e então saio andando enquanto bato em algumas coisas, como o piso de um canto do estúdio de Glasgow, para fazer um som grave. Depois aplico vários compressores de saída a esse material, salvo os clipes em arquivos de áudio e arrasto e solto esses arquivos no Ultrabeat. Levo cerca de cinco minutos para finalizar minha nova máquina de ritmos, é muito rápido."

O que Carey não consegue com o piso do estúdio, ele obtém diretamente dos plug-ins do Logic, mas sempre com um toque especial. “Uso o bumbo e a caixa do kit de bateria e baixo do Ultrabeat. Além disso, o kit de bateria EXS também é muito bom. Mas se eu estou tentando fazer um som com dub e uso o kit de dub, seria um problema, porque ficaria como um dub genérico. Por isso é que eu normalmente uso os kits de bateria do Ultrabeat e descarto o que não quero."

Carey usou o Delay Designer para conseguir sons que não estavam disponíveis no estúdio ou em qualquer outro lugar. “O Delay Designer é impressionante, parece de outro mundo. Não se trata da emulação de uma coisa que tenha sido feita por fita analógica. Em Blood, um dub remixado de Tonight que eu produzi, consegui importar todas as multitrilhas para o Logic e usei o Delay Designer para mudar a disposição dos toques. Eu conseguia reproduzir uma faixa e dar um toque onde queria um delay. O som não parece natural, mas é brilhante.”

Abusando da criatividade

Ávido para encontrar o som diferenciado que ele e a banda tanto buscavam, Carey aplicou o estilo experimental do estúdio de gravação a todos os níveis da mixagem. “Se você está fazendo uma gravação, tente fazer algo que pareça que nunca foi feito antes. Assim, meu instinto é sempre o de tentar ousar e ver o que acontece."

Carey abusou da sua criatividade no Logic, conectando os vocoders para criar sons estranhos e exigindo ao máximo dos plug‑ins. “Às vezes eu acho que os plug-ins do Logic são ótimos nos extremos de suas entradas e saídas, então, por exemplo, coloco os ganhos bem altos e uso o Flanger ou o Chorus em algo que tenha ficado distorcido.”

Em frente

Totalmente satisfeito com os resultados das suas experimentações com o som no Tonight, Kapranos está usando o Logic Pro de uma maneira ainda mais abrangente para compor as músicas do próximo álbum.

“Se você escutar uma música do começo à metade dos anos 80, vai ouvir a bateria Linn ou Fairlights pela primeira vez. Volte alguns anos e ouça o primeiro Wurlitzer, a primeira Moogs. E até a forma como os Beatles usavam a reprodução em 4 faixas naquela época. Sempre houve uma tecnologia disponível que permitia que os músicos criassem um som inédito. Por isso é muito importante para um músico procurar o que há disponível, caso contrário ficará para trás. No futuro, as pessoas vão olhar para trás e dizer 'foi aí que a música mudou naquela década'."