"O Logic foi aquela ferramenta de produção que usamos em cada uma das músicas, do início ao fim.”

The Killers: Sessões virtuais

Eles colocaram os solos de guitarra finalizados que Dave Keuning havia tocado no ensaio “de improviso” e que Vannucci havia gravado no Logic. O vocal de “Human” foi feito no antigo estúdio de Price em Londres, em uma sessão informal depois do jantar. E a percussão de “Good Night, Travel Well” foi criada pelo Vannucci nas sessões de demo. Essas ideias e momentos são especiais”, explica Price. Por isso, eles não foram eliminados com regravações desnecessárias.

A criação a foi controlada no relógio, porque a banda concordou em definir limites de tempo para cada sessão de gravação. “Isso é bom porque todos têm que estar na melhor forma, falar o que pensam e contribuir com ideias”, diz Price. “Existe ainda uma mentalidade de grupo muito boa para trabalhar dessa forma, porque não passamos dias reunidos trabalhando em um elemento específico. Fizemos um trabalho realmente conjunto.”

Em seis semanas foram gravadas 19 das 40 ideias de músicas. Dez foram selecionadas para entrar no álbum, além de algumas alternativas. Eles ficaram mais três semanas em Londres dando os retoques finais no álbum, todo produzido por Price no Logic. “O Logic foi a ferramenta de produção que usamos em cada uma das músicas, do início ao fim”, disse ele.

Progressão lógica

Vannucci usa o Logic há quase um ano e diz que está surpreso com a rapidez da sua evolução. “No início, assim como várias pessoas, usávamos o Logic como uma espécie de gravador digital de quatro pistas”, ele lembra. “Mas depois que você vai descobrindo o programa, ele se transforma em um instrumento prático para a composição de sons e mixagens, entre outras coisas.”

Observando Price em operação no estúdio, Vannucci e a banda viram bem o que o Logic era capaz de fazer. “Eu gosto de pensar no Logic como um instrumento”, explica Price. “Se você usar os recursos do Logic como a automação, por exemplo, cria da mesma forma que um músico, com a mesma dinâmica que ele toca. Você começa a pensar no espaço físico do instrumento que está mixando, em como vai controlar isso e evoluir até o fim da trilha. É aí que coisas muito interessantes começam a acontecer.”

De frente e no centro

Há pouco tempo, Vannucci começou a usar o MainStage na tentativa de levar alguns desses componentes interessantes desenvolvidos nas sessões em estúdio do Day & Age para apresentações ao vivo do The Killers. “Quase no final da gravação do álbum eu fiquei um pouco preocupado com a ideia de que eu não poderia reproduzir nosso som no palco sem precisar de pré-ajustes e uso de camadas", ele revela. “Mas aprendi que basta levar os seus ajustes para o MainStage e pronto, está tudo lá."

O The Killers agora usa o MainStage na turnê, nas músicas mais recentes como “Human” e “Spaceman.” Vannucci diz que está pensando em ir ainda mais além. “Para usar ao vivo ele é bastante útil, mas não quero ficar restrito aos sons do teclado. Estou pensando em usar alguns microfones da bateria no MainStage e alguns compressores diferentes criados no Logic para manipular o som da bateria.”

Muito trabalho e estrada pela frente

A banda também está testando uma variação da sua experiência em demos do Day & Age, usando o Logic para ajudar quando estiver na estrada. Vannucci está viajando com um estúdio de gravação portátil composto pelo Logic Studio e um sistema Apogee Symphony Mobile para que a banda possa trabalhar onde estiver.

The Killers
O produtor Price com Brandon Flowers.
Crédito da foto: Torey Mundkowsky.

“Queremos começar um álbum de regravações já na estrada”, explica ele. “Normalmente, quando nós viajamos temos uma pequena sessão de ensaio nos bastidores, então a minha ideia é colocar microfone em tudo, brincar com algumas possibilidades e começar a gravar. Depois do show ou em um dia de folga, trabalharemos no Logic. Pode ser no hotel, no avião, em qualquer lugar. Vamos editar, mixar, trabalhar nas músicas. Gosto dessa praticidade de ter um estúdio de gravação que eu possa levar para onde quiser."

Tudo isso, explica Vannucci, é a próxima etapa natural do The Killers. “Nós sempre tentamos fazer algo diferente do que já fizemos antes. Como banda, nunca ficaremos acomodados no mesmo lugar. Não sei se vamos criar um álbum metal ou country. Mas com base nas personalidades dos quatro integrantes da banda, posso dizer que estamos comprometidos em fazer músicas mais interessantes e ainda melhores."