Uma nova estratégia contra as concussões.

Parece que as concussões no esporte são um assunto comum, mas a sua detecção continua sendo um mistério — é mais uma arte que uma ciência. É difícil que elas apareçam em exames de imagem. Além disso, muitas vezes os atletas ocultam seus sintomas porque não querem ficar de fora de nenhuma jogada. Agora, a Cleveland Clinic em Ohio está usando o iPad para acabar com o mistério das concussões, com um app que permite que os técnicos monitorem os sintomas imediatamente. Os jogadores já estão voltando com mais segurança aos campos, às quadras e ao gelo.

Não é só um problema do futebol americano.

O futebol americano é responsável pelo maior número de concussões nos esportes escolares. Mas as concussões afetam atletas de todos os esportes, não só os de contato.

Futebol americano - 153 mil

Futebol - 100 mil

Basquete - 29 mil

Luta livre - 12 mil

Concussões relacionadas a esportes no ensino médio norte-americano, 2012-2013*.

No passado, avaliar um atleta contundido envolvia muita adivinhação. O iPad e o app C3 Logix acabaram com essa subjetividade do processo.

Técnico Jason Cruickshank

Mike Duffy, jogador de hóquei da St. Edward High School, passou por muitas colisões e bateu muitas vezes contra as bordas da quadra.

Mas nada como a falta que ele sofreu nesta temporada. Ele conseguiu terminar o jogo, mas sua cabeça latejava e ele começou a dormir durante as aulas. Ele não sabia, mas tinha uma concussão. E era grave.

De acordo com o técnico Jason Cruickshank, Duffy teve sorte porque sua concussão foi descoberta. Seu time faz parte de um programa que usa o iPad com o app C3 Logix para medir e monitorar sintomas de concussões entre todos os atletas. "Há concussões óbvias e não tão óbvias", ele diz. Jogar com uma concussão aumenta muito o risco de piorar a lesão. E os atletas mais jovens são mais vulneráveis ainda porque seu cérebro ainda está em desenvolvimento.

Antigamente era comum não detectar concussões devido à subjetividade dos relatos dos atletas e aos erros durante a anotação dos dados. Mas com o iPad e o app, Cruickshank pode avaliar as lesões com base em medidas precisas. "Usando o iPad com o C3 Logix, temos dados reais, que podemos mostrar ao atleta e dizer como ele deveria estar.

Ver de
novo

Tipos de concussões

Um impacto repentino na cabeça faz o cérebro bater contra o interior do crânio, gerando uma lesão de golpe. Então, pode ser que o cérebro rebote e bata contra o outro lado do crânio, causando uma concussão de contragolpe.

Mapeando uma lesão despercebida com o iPad.

Mesmo antes do início da temporada, Cruickshank já começa a administrar as possíveis lesões. Ele começa usando o iPad e o app para fazer medidas dos atletas em estado normal para usar como parâmetro. Quando uma possível concussão ocorre durante um treino ou jogo, ele examina o atleta e o leva ao vestiário para fazer um novo teste pós-lesão. Comparando esses resultados com os parâmetros, Cruickshank detecta facilmente uma queda de desempenho que pode indicar uma concussão.

Resultados antes da concussão

12 de janeiro de 2014

Avaliação de parâmetros

Resultados depois da concussão

12 de fevereiro de 2014

Relatório do incidente

Uma concussão não é como um braço quebrado. Ela não aparece em raios X nem em ressonâncias magnéticas. Por isso, para monitorar a lesão com precisão, é preciso visualizar seus efeitos no desempenho cognitivo e motor de uma pessoa. O app C3 Logix usa um gráfico em forma de hexágono para representar os sintomas associados à concussão. O nível normal do atleta é mostrado no perímetro e os resultados depois da lesão ficam na parte de dentro. Durante a recuperação, o gráfico interno se movimenta em direção ao perímetro.

Precisamos de um acelerômetro, um giroscópio e uma tela muito boa para poder testar com objetividade o equilíbrio, a visão e o tempo de resposta. Com o iPad, temos tudo isso em um dispositivo.

Técnico Jason Cruickshank

Voltando a jogar.

Não existe um padrão de recuperação para concussões. Além disso, a recuperação completa nem sempre é clara. Por isso, técnicos como Cruickshank acompanham os atletas durante todas as etapas da recuperação, monitorando seu desempenho com o C3 Logix no iPad. Ele geralmente faz testes a cada cinco ou seis dias. Como todos os dados coletados no iPad são armazenados pelo app, Cruickshank pode compartilhar um panorama completo do andamento do atleta com médicos, pais e técnicos. Assim é muito mais fácil decidir quando é seguro para o atleta voltar a jogar. Troy Gray, técnico de hóquei do St. Edward, diz que vendo os dados persuasivos dos testes, os atletas cooperam mais com o tratamento e obedecem quando são proibidos de jogar.

Devido à gravidade da sua lesão, a tranquilidade da volta de Mike Duffy ao colégio e ao hóquei foi surpreendente. Depois de um mês de descanso, reabilitação e exames semanais, ele foi liberado para voltar e terminar a temporada. "Com o iPad, eu posso avaliar o meu progresso", diz ele. "Agora eu me sinto bem e estou pronto para jogar. Essa é uma recuperação de 100%."

Como técnico, o mais importante é a segurança do jogador. Com o iPad e o C3 Logix, eu tenho certeza quando ele está pronto para voltar a jogar.

Técnico Troy Gray