O progresso é algo de belo.

Desde o início que o iPhone foi criado a pensar mais além. E o iPhone 5s não é exceção. A arquitetura móvel de 64 bits é pioneira. O sensor de identificação por impressão digital é inovador. O flash True Tone integrado está à frente do seu tempo. São funcionalidades que estão ao dispor das pessoas. E não o contrário. Esta é a prova evidente que não basta incluir tecnologia pela tecnologia. A inovação deve ser ponderada. A isso chama-se progresso. E o progresso é algo de belo.

Não basta definir a fasquia. É preciso superá-la.

O iPhone 5 definiu um precedente. Os engenheiros e designers da Apple foram capazes de colocar tecnologias pioneiras num espaço com apenas 7,6 mm de espessura e 112 gramas de peso. Um feito desta envergadura envolveu a criação ou a recriação de vários componentes, dando origem a um smartphone incrivelmente fino, leve e potente. A tecnologia avançada do iPhone 5 foi o ponto de partida ideal para o iPhone 5s. O desafio era enorme, mas conseguimos integrar mais funcionalidades sem alterar o design do iPhone 5s.

7,6
Profundidade (mm)
112
Peso (g)

Uma inspiração irrepetível: a sua impressão digital.

O primeiro iPhone mostrou ao mundo que a forma mais natural de interagir com um smartphone era através do toque. Um toque para ouvir uma música. Um toque para navegar na internet. Um toque para tirar uma fotografia. Tudo partiu de algo muito simples: o seu dedo. Agora, apresentamos a etapa seguinte mais lógica: Touch ID, o sensor de identificação por impressão digital. A sua impressão digital é a palavra-passe perfeita. Está consigo em todo o lado. E ninguém a consegue adivinhar. Além disso, para nós fazia todo o sentido que o seu telefone fosse capaz de o reconhecer. De aprender coisas sobre si, sem ter de o obrigar a memorizar e a introduzir palavras-passe para o usar. Sabíamos que o local certo para colocar o sensor era o botão onde se começa a utilizar o iPhone: o botão de Início. Mas como colocar toda essa tecnologia num espaço tão pequeno?

Uma equipa de especialistas em biométrica e hardware teve de repensar o funcionamento da tecnologia de sensores e voltar a criar o conhecido botão de início. A superfície do novo botão, feita em cristal de safira cortado a laser, envia a imagem do dedo para um sensor tátil capacitivo. Esse sensor capta além das camadas exteriores da pele para obter uma impressão digital detalhada. O anel de aço inoxidável à volta do botão deteta o dedo, ativa o sensor e melhora a relação sinal/ruído. O software lê a sua impressão digital e desbloqueia o telefone quando encontra uma correspondência. É uma tecnologia tão avançada, que é imperceptível ao ser utilizada. É como se não existisse. Nunca foi tão fácil desbloquear o iPhone.

Cristal de safira cortado a laser

Anel de deteção em aço inoxidável

Sensor de um só toque capacitivo

Botão tátil

Melhorar o desempenho sem comprometer a bateria. Dito assim, até parece fácil.

Desempenho mais rápido e gráficos mais realistas. É este o objetivo final ao criar um novo processador móvel. Mas acreditamos que o desempenho não deve ser alcançado à custa da eficiência. A velocidade em detrimento da autonomia da bateria nunca é uma opção no iPhone. Por isso, criámos um novo processador e um novo coprocessador para o iPhone 5s: o A7 e o M7.

O A7 é o primeiro processador para smartphone com arquitetura de 64 bits. A mudança para 64 bits demorou anos a concretizar. Mas quisemos colocar o poder de processamento de um computador nas suas mãos. É um esforço que vale a pena. Basta imaginar tudo aquilo que as pessoas vão poder fazer com ele. O processador A7 dá ao iPhone 5s a potência necessária para tantas funcionalidades. É até duas vezes mais rápido do que a geração anterior, tanto em desempenho gráfico como da CPU. Tem um novo processador de sinal de imagem e é compatível com OpenGL ES 3.0, para permitir efeitos visuais que até agora só eram possíveis em computadores e consolas de jogos. Apesar de todos estes melhoramentos ao nível de desempenho, o A7 continua a gastar pouca energia.

O novo coprocessador M7 foi concebido para aumentar ainda mais a eficiência do iPhone 5s. Diminui o trabalho do processador A7, com a recolha de dados de movimento do acelerómetro, giroscópio e bússola. Deste modo, as apps podem usar estes dados sem recorrer ao processador A7. E como o M7 foi concebido para esta tarefa específica, usa muito menos energia e aumenta a autonomia da bateria.

CPU até40x
mais rápido do que o primeiro iPhone
GPU até56x
mais rápido do que o primeiro iPhone

O nosso foco? Melhorar a câmara mais usada do mundo.

Uma câmara de smartphone torna-se mais indispensável à medida que se apercebe das coisas que é capaz de fazer. Tira sempre fotografias excelentes, onde e quando quiser. Inclui todo o tipo de funcionalidades, mas é simples de usar. E está integrada num dispositivo tão fino e leve que o pode levar consigo para toda a parte. A iSight é tão incrível que se tornou na câmara mais popular do mundo. Só que apesar do entusiasmo das pessoas, não estávamos satisfeitos. Para a melhorar, havia dois caminhos: adicionar megapíxeis e apresentar um grande e sonante número. Ou manter os 8 megapíxeis e optar por colocar um sensor maior e de última geração.

Um sensor maior permite aumentar os píxeis individuais. É que uma boa fotografia não depende do número de píxeis, mas sim do seu tamanho. Por isso, o iPhone 5s tem um novo sensor de 8 MP, 15% maior do que o anterior, com píxeis de 1,5 mícrons. Também aumentámos a abertura para ƒ/2,2. O que permite um aumento de 33% de sensibilidade à luz. Isso é essencial, porque mais luz permite obter imagens melhores e mais nítidas, com maior precisão de cores. Além disso, o novo flash True Tone calcula a quantidade exata de luz que a fotografia precisa. Porquê colocar todas estas funcionalidades numa câmara que já era fantástica? Porque faz muito mais sentido ensinar o iPhone a tirar fotografias fantásticas do que dar cursos de fotografia a milhões de pessoas.

15%
Sensor de imagem maior
ƒ/2,2
Abertura maior
33%
de maior sensibilidade à luz

A câmara iSight no iPhone 5s está ainda melhor. Ehá muitas razões para isso.

Saiba mais sobre as novas funcionalidades e inovações

No iOS 7, tudo é familiarmente novo.

Uma das nossas principais preocupações ao criar o iOS 7, foi pensar nos dispositivos em que iria ser usado. Sabíamos que o iPhone 5s teria o processador A7 e a arquitetura 64 bits, por isso foi concebido para tirar o máximo partido das suas vantagens. Ao mesmo tempo, estávamos a trabalhar num sistema operativo conhecido e adorado por muita gente. Queríamos torná-lo ainda mais útil e simples de usar.

O iOS 7 é um exemplo de simplicidade. A interface foi concebida de forma a passar despercebida. Tudo o que não fosse valor acrescido foi eliminado e concentrámo-nos no que mais importa: os conteúdos. As camadas e as transparências ajudam a criar uma sensação de contexto e de espaço. A animação e movimento tornam tudo mais atrativo. O resultado é uma experiência melhor e mais agradável. O iOS 7 é outra forma de o iPhone 5s pensar mais além.

Por detrás destas capas coloridas há muita massa cinzenta.

Nunca imaginámos a capa iPhone 5s Case como um mero acessório, mas como o complemento perfeito do iPhone 5s e do seu design. Foi por isso que a criámos com tanto empenho. A capa é feita com pele de alta qualidade e tem um toque agradável. Adapta-se perfeitamente aos botões e as arestas biseladas, como nenhuma outra capa para iPhone. Mesmo com a capa, o iPhone 5s continua incrivelmente fino e elegante.

Combinando processos de fabrico manuais e de de alta precisão, a estrutura é envolvida por uma única peça em pele. O resultado é um design em que todos os pormenores foram pensados. Por dentro, o revestimento de microfibra suave protege o iPhone. Por fora, o aspeto espetacular da pele impregnada com cor garante que as seis cores não desaparecem ao longo do tempo.