Esa-Pekka Salonen orquestra um som novo.

Para o famoso compositor e maestro Esa-Pekka Salonen, a música é a forma mais profunda de interagir com o mundo. Usa o iPad Air para traduzir momentos de inspiração no dia a dia em partituras totalmente orquestradas e partilhar com outros a sua paixão pela música clássica.

01. Cativando o público contemporâneo.

“Criei a app The Orchestra para partilhar o meu amor pela música clássica e colocá-la ao alcance de todos, especialmente da próxima geração.”

Esa-Pekka Salonen, maestro e compositor

Durante mais de 30 anos, Esa-Pekka Salonen conduziu algumas das orquestras mais famosas do mundo, desde a Los Angeles Philharmonic à Philharmonia Orchestra em Londres, em interpretações de obras clássicas e contemporâneas.

Mas reconhece que existe um público inexplorado que parte do princípio que a música clássica não é para si. “O preconceito é o maior problema em termos de música clássica. Existe a ideia de que é algo para os mais velhos, onde as pessoas têm de se comportar de determinada forma, usar determinado tipo de roupa e ser irremediavelmente enfadonhas. E nada disto corresponde à verdade.”

Para levar a música clássica a uma nova geração de ouvintes, Salonen começou por revelar como funciona uma orquestra. “Queria levantar o véu da orquestra sinfónica: a sua história e o seu presente. Explicar o como e o porquê de ser aquilo que é”, refere. Foi por isso que Salonen e os colegas na Philharmonia desenvolveram a app The Orchestra para iPad.

Tira partido do poder do iPad Air para oferecer aos utilizadores uma visão interativa e envolvente de todos os elementos de uma orquestra. “De repente, o que parece estranho e distante, e talvez um pouco abstrato, torna-se muito mais real e normal”, diz Salonen. “Ficaria radiante se alguém descobrisse a música clássica através de The Orchestra.”

02. A inspiração surge no dia a dia.

“O iPad é a melhor ferramenta que conheço para registar o primeiro impulso. Aqueles momentos em que a mente está aberta, livre e pensamos: ok, e se?”

Esa-Pekka Salonen

Embora Salonen tenha passado grande parte da sua carreira a conduzir sinfonias pelo mundo todo, considera-se, acima de tudo, um compositor. Através das suas peças, consegue comunicar aos outros os seus pensamentos e ideias.

Salonen usa constantemente o iPad Air para captar a inspiração do mundo que o rodeia. “Espero nunca perder esta sensação de curiosidade ao acordar de manhã”, refere. “Quero saber mais sobre tudo, coisas que existem, que já conheço.”

Para Salonen, as ideias tendem a ocorrer em momentos inesperados. “Não tenho mantras nem sigo rotinas rigorosas”. Salonen tem sempre o iPad Air por perto para captar aqueles que considera ser os seus primeiros impulsos de inspiração. Usa a app Notion para registar fragmentos musicais: acordes, melodias, ritmos. Ou, por vezes, usa a app Notas para descrever estados de espírito e sensações por palavras, que posteriormente traduz em música.

Salonen reúne ideias ao longo de seis a nove meses. Depois, no final de uma temporada de trabalho como maestro, senta-se e começa a determinar os fragmentos que o vão ajudar a moldar uma composição orquestral completa.

03. Do conceito à composição.

“Gosto dos sons em que a soma das partes é muito mais do que as próprias partes. E o iPad é como um parceiro no processo criativo, traduzindo as minhas ideias.”

Esa-Pekka Salonen

Compondo para múltiplos instrumentos.

Uma sinfonia pode ter até 23 tipos de instrumentos diferentes, tocados por 40 a 100 músicos. Um grande desafio para o compositor é alcançar o equilíbrio perfeito dos instrumentos ao longo da composição. Com o iPad Air, Salonen pode ler toda uma partitura onde quer que se encontre, ajustar e aperfeiçoar o caráter expressivo de cada instrumento.

Para muitos compositores, uma peça orquestral pode demorar meses, ou até anos, a preparar. Durante esse período, de experimentação e desenvolvimento, o iPad Air está sempre envolvido no processo de composição de Salonen.

“A composição de música clássica é bastante lenta”, diz Salonen. “E intensamente solitária.” Salonen pode passar horas a desenvolver uma pequena secção de uma peça que dura apenas alguns segundos a tocar. Ele usa a app Pianist Pro para ler fragmentos musicais em software de composição no Mac. Então, graças à potência de processamento do iPad Air, pode abrir a mesma partitura complexa no Notion para fazer alterações e ouvi-las. A função de leitura permite a Salonen ouvir a obra à medida que desenvolve o seu trabalho, algo que não era possível anteriormente sem reunir uma orquestra para a tocar.

“Tenho toda a liberdade para me deslocar entre o meu estúdio e a configuração mais portátil que consigo imaginar”, diz Salonen. O facto de o iPad Air ser tão compacto e potente é especialmente importante, já que Salonen viaja pelo mundo todo entre atuações e ensaios.

Uma vez terminada a partitura, é chegada a altura de a orquestra a tocar pela primeira vez. “O primeiro ensaio é sempre a parte mais assustadora”, refere. “É a primeira vez que vemos a peça ganhar vida. A música clássica tem tudo a ver com a experiência ao vivo. A beleza da singularidade do momento. Sabermos que, quando vamos a um concerto, vamos ouvir algo que nunca vai voltar a ser tocado exatamente da mesma forma.”

“O iPad torna-se uma extensão da minha mente. É como se tivesse determinadas funções mentais e físicas mais desenvolvidas, simplificadas e otimizadas.”

Esa-Pekka Salonen

Para aventuras a qualquer escala.

Saiba mais sobre o iPad Air e iPad mini com ecrã Retina. São tão capazes que deixam fazer praticamente tudo. E são tão finos e leves que pode levá-los para todo o lado.